Fernando Melo, o único secretário de Segurança da história do Acre a ganhar uma eleição depois de deixar o cargo, se encontrou nesta segunda-feira, 30, com o senador Sérgio Petecão (PSD), com quem formou a famosa dupla “Cosme e Damião” entre 2010 e 2012 e que não resultou em nada. Além de almoçar juntos, Fernando “Jacaré”, um dos ótimos advogados do Acre, e o senador Petecão, passaram horas relembrando suas andanças pelo Estado em busca de mandato naquela época. Numa dessas, dizem os dois, estavam em Santa Rosa do Purus, um dos quatro municípios isolados do Acre (os outros três são Porto Walter, Marechal Thaumaturgo e Jordão), num dia de jogo entre Brasil e Argentina. Eles estavam, precisamente, numa aldeia indígena, predominantes naquela região, desesperados para ver o jogo. Então recorreram ao cacique no intuito de descer para a cidade. O chefe dos nativos acalmou os ânimos deles e pediu ou “determinou” que eles pernoitassem, garantindo que veriam o jogo, mesmo sem televisão. À noite, ante um ritual singular dos silvicolas, foi servido a todos uma bebida. Os dois tragaram a gororoba. Quando o efeito chegou foi um frenesi só. Derrepente, toda a aldeia estava vendo a partida – de olhos fechados. “Eles comemoravam algumas jogadas e gritaram gol por duas vezes. Eu, particularmente, não vi nada. Quando chegamos na cidade, no dia seguinte, o Brasil tinha vencido o adversário por 2 x 0”, conta Melo. Nem “Jacaré”, nem Petecão, sabem dizer, até hoje, que chá foi aquele que interligou a aldeia aos satélites e, por conseguinte, ao principal jogo do dia organizado pela Fifa. Só sabem que o resultado bateu. Ambos juraram aos comensais da mesa de Petecão que foi verdade. A turma, claro, está rindo até agora da “história”.