A agenda do secretário de Educação do Acre, Mauro Sérgio Cruz, está gastando quase metade se sua agenda com um assunto só: as escolas cívico-militares. A razão é elementar. Em tempos de violência toda comunidade quer uma dessas. Os municípios também estão pedindo escolas militares. Na semana passada, por exemplo, o professor Mauro e sua equipe foram a Plácido de Castro estudar a instalação desse projeto naquela região. Mesmo assim tem surgido críticas, no que o secretário responde ao estilo agostiniano só dele: “Essas pessoas são aquelas que só vão perceber a importância da escola militar daqui a dez anos. É porque, de fato, o maior lucro desse investimento do governo Gladson só virá bem lá frente”, diz ele.